Black bourguignon: tempo na cozinha

black bourguignon

Meu marido brinca que se ele tirasse a panela de pressão da cozinha eu não saberia mais cozinhar. Eu reconheço que eu adoro a comodidade dessa ferramenta, mas não é pra tanto né? O que me consola é que já vi muitos episódios de Top Chef que os cozinheiros se renderam à velocidade da panela de pressão. Acho que foi um dessa última temporada (décima) que o chef foi super elogiado por um caldo lindo que ele fez. A pergunta foi: como você conseguiu tanto sabor em tão pouco tempo? A reposta: pressure cook. Delirei.

Ganhei um livro sensacional dos meus pais de natal, que vocês já devem ter ouvido falar. O Pão Nosso trata justamente que muitas vezes a espera é o melhor ingrediente para um pão – e uma refeição – maravilhosa. Fiz uma receita do livro, um ragu de liguiça que ficou um espetáculo (não  me matem, mas esqueci completamente de produzir a foto). Gasta por volta de 3 horas pra ficar pronto, e cada minuto conta.

Essa receita é bem assim. Demora um tempão na panela. Mas a boa notícia é que é só picar e botar tudo lá e ficar olhando e misturando. Como uma boa terapia na cozinha…

Receita da edição de Junho/Julho da Casa e Comida (com minhas adaptações).

Ingredientes:

1kg de carne em cubos pequenos  (usei chã de dentro)

2 latinhas de cerveja escura

1 colher (sopa) de alecrim picado

3 folhas de louro

1 pimenta dedo-de-moça picada sem as sementes

2 colheres (sopa) bem cheias de farinha de trigo

300g de bacon picadinho

2 colheres (sopa) de alho

2 cenouras picadas

2 colheres (chá) de gengibre picado

Sal e cheiro verde a gosto

Coloque a carne em uma vasilha e cubra com a cerveja. Acrescente o alecrim, o louro e a pimenta. Deixe na geladeira para marinar por 6 horas ou por uma noite. Não coloque sal na marinada.

Escorra bem a carne, reserve o líquido com os temperos e doure-a em uma panela bem quente com um pouco de óleo. Em outra panela, refogue o alho com a cenoura, o bacon e o gengibre. Adicione a carne e a cerveja com os temperos. Dissolva a farinha em um pouco de água e adicione à panela. Tampe a panela e deixe cozinhando por volta de 3 horas, sempre misturando para não grudar no fundo. Eu fui acrescentando um pouco de água nesse tempo e gastei mais de um litro. Ajuste o sal e sirva quente.

Por mais que eu tenha ficado meio cética no começo, a carne de fato fica super macia e o caldo é uma delícia com um pedaço de pão 😀

Sobre temperos prontos e frango assado

frango assado

Depois de ver a propaganda de um produto chamado “Meu frango assado” que promete um frango assado lindo, suculento e com um molho lindo (tudo dentro de um saquinho) resolvi comprar o tal negócio pra ver se a propaganda era enganosa ou não. Mesmo desconfiada.

O meu “problema”é que tenho o hábito de ler os ingredientes de tudo que é industrializado, pricipalmente temperos. Fiquei chocada quando vi que eram apenas várias ervas,limão desidratado, sal e trocentos conservantes de todos os tipos. Junto com o saquinho para assar, a mistura de temperos custa R$5. Oi?

É claro que resolvi fazer a mistura em casa. Eu já tenho uma receita bem gostosa de frango assado, mas queria algo diferente. Eu também já uso o saquinho para assar há um bom tempo – ele de fato deixa a carne bem mais molhadinha, além de ter o bônus de não sujar o forno com a gordura da carne.

Não se enganem: eu não sou completamente contra temperos prontos. Gosto de ter caldos de galinha e carne em cubos na geladeira para sopas ou carne de panela. O segredo é que eu sempre uso metade ou até 1/3 do cubo. A ideia é dar uma potencializada no MEU tempero, e não encobri-lo com aquele gosto forte artificial.

Gente, o frango ficou EXTRA suculento, soltando do osso e delicioso. Vou adotar essa receita forever. Acho que o que faltava na minha era o limão, que dá um azedinho quase imperceptível, mas que fica ótimo no molho.

Ingredientes:

4 coxas com sobrecoxas, separadas e sem pele (grávida tem que maneirar na gordura né?)

1 colher (café) de tomilho

1 colher (café) de salsa desidratada

1 colher (café) de orégano

1 colher (café) de cebola desidratada

1 colher (café) de páprica picante

1 colher (café) de alho amassado

1 colher (café) de sal

Suco de 1/2 limão

1 colher (café) de azeite

1 colher (café) de amido de milho (para o molho)

“Amasse” todos os temperos em um pilão, até que fique bem homogêno. Coloque os pedaços de frango dentro do saco próprio para assar carnes (você acha um pacote com 10 em supermercados) e despeje o tempero por cima. Misture bem, até que todos os pedaços fiquem bem temperados. Feche o saquinho,faça alguns furos com uma faca, coloque em um tabuleiro e asse por 45 minutos em forno pré aquecido em 220C.

Molho: Depois de retirar do forno , com bastante cuidado (o saquinho fica bem quente) faça um furo grande e retire os pedaços de frango. Despeje o molho que formou no fundo do saco em uma panelinha. Retire o excesso de gordura com uma concha e deixe ferver por alguns segundos. Acrescente o amido de milho dissolvido em um pouco de água e ferva mais um pouco. Teste de sal e sirva junto com o frango.

Ta faltando dar uma satisfação…

Pelo que vocês estão vendo, há muitos dias que eu não posto no blog. Essas últimas semanas tem sido uma loucura e minha rotina mudou completamente – não só por causa do  novo emprego.

Daqui uns dias eu posso explicar tudo com detalhes, mas envolve mudar de apartamento e otras cositas más. Quem viver verá! 😀

É só uma pausa, acho que daqui umas semanas eu já estou de volta.

pause

Bjos!

Filé ao molho madeira

filé ao molho madeira

Sonho dessa pessoa aqui era de fazer um molho madeira. Eu não conseguia achar o tal do vinho madeira em local nenhum existente em BH e não tava muito entusiasmada para comprar online. Fuçei durante muito tempo na internet e fui deixando um filé no congelador aqui em casa só esperando… Como é uma carne mais cara, não queria fazer nada muito diferente com medo de ficar ruim.

Depois de muita pesquisa, achei a tal receita. Sabe o  mais irônico? Eu li, escrevi os ingredientes e nunca mais achei o link denovo. Por isso eu não sei a quem dar o crédito à essa receita maravilhosa que conquistou meu coração porque é a coisa mais fácil de fazer. Finalmente fiz molho madeira!

Ingredientes:

Pedaço de +/- 400g de filé mignon já limpo

1 colher (sopa) bem cheia de manteiga

1 cebola

200ml de vinho branco seco

1 vidro pequeno de champignon fatiado

1 colher (chá) de amido de  milho

Sal a gosto

Firme o pedaço de carne com barbante culinário, para que ele fique bem firme. Coloque a manteiga em uma panela de pressão pequena e acenda o fogo baixo. Quando derreter coloque a carne e frite todos os lados dela, até ficar bem corada e o fundo da panela bem “sujo”, como se estivesse grudando. Acrescente a cebola picadinha e deixe ela refogar bem na manteiga. Acrescente o vinho, um pouco de sal (se preferir pode usar 1/2 tablete de tempero de carne pronto, fica gostoso também) e complete com água até quase cobrir a carne. Quando ferver, tampe a panela de pressão. Quando pegar presão, deixe no fogo baixo por 30 min.

Abra a panela e enfie um garfo na carne – se ele sair facilmente, a carne está cozida. Retire ela da panela e reserve por alguns minutos antes de cortar, para que ela não solte água. O molho que ficou na panela deve ficar escuro. Eu gosto de diminuir ele um pouco, para ficar bem saboroso. Dissolva o amido de milho em um pouco de água e coloque no molho, só  para dar aquela “espelhada”. Ajuste o sal e acrescente os champignons. Corte a carne e sirva ainda quente.

Uma pequena pausa

chile

Queridos, até o dia 26 o blog não terá receitas novas porque esta pessoa que vos fala vai (finalmente!!!!) passear um pouco com o maridão em terras sul-americanas. Não deixei posts programados porque acho estranho o blog postar “sozinho”. Acho que vi Matrix demais na adolescência ou não aderi tanto à modernidade da blogosfera quanto pensava. Enfim.

Vou ali no Chile e já volto tá? Quando chegar, prometo fotos lindas e comidas incríveis, pode ser?

Bjos!

Frango com quiabo diferente

frango com quiabo 1

Minha mãe é paulista que cresceu no Paraná e veio morar em Minas na juventude. Acima de tudo, é filha de portugueses. Acho que é por isso que na casa dos meus pais nunca teve comida mineira, mas sim comida internacional de todo tipo. Minha mãe adora  comidas diferentes de outros países e por isso eu e meus irmãos já experimentamos de tudo, até uma horrorosa  sopa de arraia (blerg!). Resultado: tropeiro, frango com quiabo, salpicão, angu duro e outras delícias mineiras não eram muito presentes lá em casa. Então eu tive que aprender por mim mesma alguns pratos, porque ao contrário da minha família, a do maridão é mineira de gema! Mas a única coisa que ele não gosta é o tal do frango ensopado com quiabo babando (huuuumm, delícia!!). Por isso tive que inventar essa versão que tem toque internacional que veio de mamãe e ingredientes bem mineiros.

Ingredientes (para duas pessoas):

5 coxas de frango com pele

50ml de molho de soja (shoyo)

1 colher (chá) de gengibre em pó

2 colheres (sopa) de mel

Misture todos os ingredientes com as coxas e deixe marinar de um dia para o outro na geladeira. Se você não tiver como fazer de véspera, deixe umas duas horas que já basta.

Quando for assar, coloque naqueles saquinhos para forno e feche de acordo com as instruções da embalagem. Esses saquinhos são ótimos para deixar a carne bem suculenta.

frango com quiabo

Asse em forno pré-aquecido em 220C por 40 minutos ou até que a carne esteja macia. Abra o saquinho e ligue o grill do forno para deixar a pele das coxas bem crocantes (ai meu colesterol). Retire do tabuleiro e separe o molho que ficou se quiser usar.

Para o quiabo: em fiz essa receita aqui de quiabo sem baba. Usei 300g.

frango com quiabo 2

Receita de buraco quente mexicano

buraco quente

Uns dias atrás tava eu vendo “Homens Gourmet” e essa “receita” me chamou atenção. Não acho que seja propriamente uma receita, é mais uma dica, por isso fiquei cismada. Nunca tinha comido isso aqui nos botecos de BH – acho que talvez seja uma moda paulistana – e fiquei com muita vontade de comer porque sou APAIXONADA com pão com molho. Para mim, a melhor parte da macarronada é quando sobre molho no prata para eu rapar tudo com um pedaço de pão 🙂

Bom, ontem eu vi essa receita de Sloopy Joes (que é pão com carne moída em inglês) no blog Kitchen Meets Girl com uma pegada mexicana e lembrei do buraco quente. Bati o olho na receita e vi que era carne moída refogada com os mesmos ingredientes da salsa (receita -> aqui). Que pessoa gênia! Já fui para casa pensando na receita, uma vez que é bem diferente dos molhos tradicionais que fazemos por aqui. Logo, virou buraco quente mexicano!

Ingredientes:

500g de carne moída (usei patinho)

1 cebola picada

1 colher (café) cheia de tempero caseiro

2 pimentas dedo-de-moça picadas

1 colher (sopa) de cominho

1 colher (sopa) de coentro moído

240ml de caldo de carne (usei água mesmo)

240ml de extrato de tomate

1 colher (sopa) cheia de açúcar mascavo

2 colheres (sopa) de molho inglês

2 colheres (sopa) de vinagre branco

1 colher (sopa) de molho de pimenta

Óleo e sal a gosto

Refogue a cebola com o alho e um fio de óleo. Acrescente a pimenta, a carne moída e vá misturando até que a carne esteja bem cozida e sequinha. Acrescente o cominho e o coentro e refogue mais um pouco. Adicione o restante dos ingredientes e deixe em fogo baixo até ferver. Ajuste o sal.

Montagem:

Pães francês ou pães doce

Muçarela ralada

Faça um furo em uma das pontas do pão francês, retire o miolo e coloque um pouco de muçarela. Acrescente a carne bem quente.

Frango ao curry vermelho

frango e curry

 

Entre um passeio e outro nas minhas pesquisas de comida tailandesa, descobri a pasta de curry vermelho. É basicamente uma mistura de temperos locais bem apimentados para ser usado em cozidos, assados, frituras… Enfim, uma variedade de pratos. Dá para comprar em um vidrinho como pasta mesmo ou em pó.


pasta curry 2

Mesmo sendo popular por lá, aqui eu tive uma imensa dificuldade em achar uma receita que não fosse tão complexa como a pho ga soup, que demora um bom tempo para ser feita. Sabe onde achei a solução? No potinho de curry vermelho que comprei, que tinha um encarte com dicas de como usá-lo. Dã.

Ingredientes:

300g de peito de frango picados em cubos grandes (maior que para estrogonofe)

2 colheres (sopa) de pasta de curry vermelho

Sal e óleo a gosto

1 vidro (200 ml) de leite de coco

Cebolinha picada a gosto

(A receita pede também broto de bambu e de feijão, mas não usei)

Em uma panela wok, refogue a pasta de curry com um pouco de óleo. Isso vai ajudar a apurar o tempero e não deixar aquele gosto de páprica crua. Acrescente metade do leite de coco e deixe ferver. Adicione os pedaços de frango e o restante do leite de coco. **Aqui você acrescenta os brotos se for usar**. Vá misturando até o frango cozinhar – sem ficar duro – e o leite de coco reduzir. Desligue o fogo e acrescente a cebolinha. Sirva com arroz branco.

Escrevendo Abobrinhas no jornal O Tempo

Alguns dias atrás a repórter Aline Gonçalves do jornal O Tempo, aqui de Belo Horizonte, me procurou para fazer uma entrevista comigo.  A matéria é sobre blogs de culinária e foi publicada dia 23 do mês passado, mas foi só hoje que eu vi.

Eu estou lá no finalzinho…

imagem
Todo mundo é capaz de lembrar daquele caderno de receitas, meio velho, meio aconchegante, ao qual a avó, a tia ou a mãe volta e meia recorria pra se lembrar de um prato ou pra anotar uma novidade. Ainda que essa prática felizmente ainda venha sendo preservada por algumas pessoas, é cada vez mais comum que uma outra muito similar, mas também com vários aspectos diferentes, ganha adeptos: a dos blogs de receitas. A semelhança entre o tradicional caderno é obvia: os dois tratam do registro da história culinária de famílias. A grande diferença, no entanto, é que agora esses pratos são partilhados com pessoas que vão muito além dos vizinhos e parentes, por gente que jamais imaginou ficar conhecida pelo trabalho na cozinha. “Eu comecei sem muita pretensão, queria registrar as receitas que inventava para conseguir reproduzi-las depois, já que eu nunca anotava nada”, conta a psicóloga por formação Tatiana Romano. O blog dela, o Panelaterapia criado em 2009, é hoje referência na área e alcança a marca de 1,2 milhão de visualizações de páginas por mês.

Tatiana, que nunca fez um curso de gastronomia, conta que seu interesse pela cozinha começou na adolescência, quando criava versões para o tradicional macarrão instantâneo. Porém, quando percebeu que o número de acessos ao blog crescia exponencialmente, resolveu investir. “Estudei sobre mídias digitais, fotografia, comprei equipamentos melhores: busco ser merecedora do sucesso que o Panelaterapia atingiu”, diz.

Ao enumerar esses aspectos, Tatiana observa que a questão da apresentação dos pratos influencia diretamente no sucesso da receita assim como a estratégia de escolha do que coloca no blog (ela evita, por exemplo, incluir receitas parecidas em sequência). Recentemente, o alcance das redes sociais mudou a relação com os leitores, já que há mais possibilidades, segundo ela, para conversar e responder dúvidas.

As estratégias que Tatiana utiliza não diferem daquelas de quem começou a bem menos tempo a comandar blogs de culinária, como as do casal Lígia Marcondes e Gladstone Campos. Ele, fotógrafo profissional há mais de 30 anos, reforça exatamente a questão da imagem para o sucesso e conta que seu trabalho na área de gastronomia, em revistas como a “Gula”, foi um dos incentivos para montar o Entre Pratos e Copos” há menos de um ano

“Antes de ir pra ‘Gula’, nunca tinha fotografado comida, mas comecei a me dedicar, estudar e entendi o processo. Há seis anos, conheci a minha atual esposa que gosta muito de cozinhar. Ela tem formação em história e trabalhava com designer de interiores. Há uns dois anos, Lígia quebrou o braço e resolveu passar todas as receitas para o computador, porque não conseguia desenhar”, conta ele. Como as fotos dessas receitas já estavam em mãos, os dois fizeram um livro, mas perceberam que seria muito caro editá-lo e comercializá-lo. Foi então que surgiu a ideia do blog. “Ter um blog é muito prático e barato. Hoje, temos posts
com mais de 5.000 acessos num dia”, revela Gladstone.

O sucesso imediato levou a cozinheira da dupla a se enveredar por uma área que ela nunca dominou: a dos doces, para atender aos pedidos que chegam, principalmente, via Facebook. “Eu faço o que tenho vontade, mas o blog tem uma sequência com entradas, pratos principais e sobremesas. Como eu não como doces, nunca fui de fazer nada especial até porque doce exige precisão. Agora, com a prática, estou ficando dez”, se diverte. Os doces, na visão de Gladstone, também têm um apelo visual maior. “Nosso campeão de acessos é uma mousse. Qualquer coisa com chocolate ‘bomba”, diz.

Para conseguir uma concretização maior do blog, Lígia também revela que procura fazer cursos com chefs e conta outro ponto fundamental: “O importante do blog é alimentá-lo sistematicamente; não pode pensar ‘ah, vou viajar, depois atualizo”.

Autora do blog Escrevendo Abobrinhas, a mineira Manoela Vianna também aponta a importância de atualização periódica e de buscar conhecimento para não perder o público. “Recentemente fiz um curso de pães, roscas e biscoitos porque senti a necessidade de profissionalizar mais o blog. Pretendo fazer outros ano que vem”, diz.

Para ela, é fundamental, ainda, apresentar receitas fácies e práticas, que condizem com o ritmo de vida atual. “Eu trabalho, fico muito tempo no trânsito, cuido da casa, do marido, lavo roupa. Como a maior parte dos meus leitores, quero algo que pode ser feito rápido e que seja gostoso”, explica.

No entanto, quando começou o blog, há pouco mais de um ano, sua preocupação maior era apenas resgatar as receitas que a mãe preparava e partilhá-las com as amigas. “Elas viviam me pedindo as receitas da minha mãe para fazer em casa, como surpresa para os maridos. Achei mais fácil fazer um blog para que elas pudessem ver os ingredientes e o modo de preparo”, conta.

A matéria você encontra  AQUI.

Lombo recheado + geleia de pimenta

Esse foi um prato que eu fiz para participar de um concurso de Portugal que, infelizmente, não ganhei. Era para fazer um prato com uma comida tradicional portuguesa com um toque da região que você mora. Minha ideia foi usar o lombo recheado (que passou a noite em uma marinada que, de acordo com minha avó, é super portuguesa) junto com a geleia de pimenta, para dar aquele toque de Minas.  Os legumes e a carne foram assados juntos, todos na marinada, para ter aquele sabor de vinho no prato todo.

De acordo com o maridão, eu ganhei todos os concursos porque ele AMOU o lombo com a pimenta :).

Ingredientes para carne+marinada:

400g de lombo suíno

1 linguiça portuguesa

200ml de vinho branco seco

1 cebola média (partida em quatro)

1 colher (sobremesa) de tempero de alho caseiro

1 colher (sobremesa) de páprica doce

2 pimentas dedo-de-moça

1 colher (café) de sal

2 folhas de louro

Bater os temperos com o vinho  com um mixer ou no liquidificador. Em um saquinho plástico ou vasilha colocar esse molho junto com o pedaço de lombo, já recheado com a linguiça. Deixar na geladeira de um dia pro outro.

*Para rechear o lombo:  com uma faca afiada faça um furo no lombo, na forma de comprimento. Gire a faca para alargar. Nesse furo introduza o pedaço de linguiça até quando der. Corte o pedaço que sobrar.

Legumes:

2 batatas médias picadas em quatro

2 cenouras picadas em quatro

1 talo de alho poró picado em duas partes

4 dentes de alho com casca

1 cebola picada em quatro

Em um tabuleiro disponha o lombo recheado, as batatas, cenouras, o alho poró, os dentes de alho e a cebola. Despeje a marinada por cima, tampe com papel alumínio e asse em forno pré aquecido em 180°C por uma hora ou até que a carne esteja bem assada.Geralmente os legumes assam primeiro: se isso acontecer, tire os legumes e volte com a carne ao forno até ficar bem assada.

Geleia de pimenta (receita adaptada do adorável Pitadinha):

1 maçã

2 pimentas dedo-de-moça

Suco de duas a três laranjas

1 xícara de açúcar

Descasque a maçã e rale em um ralador fino. Pique duas pimentas sem as sementes.  Em uma panela, misture a maçã ralada, as pimentas picadas, o suco das laranjas e o açúcar. Ferver por 10 minutos ou até o açúcar derreter por completo.Deixe esfriar para servir.

Montagem:

Corte o lombo em fatias e disponha em uma travessa com os legumes assados. Espalhe a geleia de pimenta por cima.

%d blogueiros gostam disto: