Minha paixão pela cozinha: tudo começou com minha mãe

*Para o Dia das Mães

Minha mãe tinha um livro de receitas caindo aos pedaços de onde ela tirava os pratos mais impressionantes. Eu ficava fascinada quando ela tirava daquelas letras (que só ela entendia) o almoço mais especial do mundo – e era só quarta-feira.

Com uns 16 anos de idade, resolvi pegar o livro escondido dela para digitar todas as receitas e dar um presente para o dia das mães. Afinal, era também um martírio para mim passar pelo menos uns 15 minutos folheando o livro todo para achar a receita de bolo que ela queria. Confirmando as letras quase impossíveis de entender, muitas vezes eu tinha que ficar adivinhando o que tava escrito – óleo ou ovo? – e isso tava fazendo a surpresa que eu queria fazer para ela demorar demais.

Tive a “brilhante”  idéia de fazer as receitas para descobrir de fato quais eram os ingredientes e  a quantidade sem ter que perguntar para ela. Precisa falar o resultado? O meu melhor prato foi um que gastei todas as nozes da geladeira e meio pacote de cacau em pó em algo irreconhecível como bolo que virou um monte marrom horroroso e com gosto de lixo (na minha inocência usei PÓ de café e não café COADO no recheio…).

Depois de mais de 150 receitas digitadas, o livro finalmente ficou pronto. Claro que no meio do caminho tive que contar para minha mãe o porquê deu fazer tantos desastres na cozinha e, por incrível que pareça, ela disse para eu continuar tentando. Disse que esperava o tanto que for pro livro ficar pronto. E ficou né?

É por esses e outros fiascos que me incentivaram a continuar tentando entender o porque meu bolo virou uma paçoca ou porque meu bife ficou duro como pau. Na verdade, todos os problemas, desavenças e confusões na minha família eram resolvidas na cozinha. Se minha mãe estava cansada ou com raiva, acho que fazia pães. Se inspirada, fazia saladas. Se feliz, fazia bolos. Bom, na verdade, qualquer desculpa era usada para quebrar ovos, acender o forno e fazer bagunça na cozinha.

Isso porque fazer um bolo em forma de casinha (com telhado de jujuba e porta de m&m) era a forma mais doce da minha mãe dizer: eu amo vocês.

Para minha mãe, que me ensinou que chocolate queima fácil, que clara em neve fica mais durinha com um pouco de açúcar e que bife fica melhor feito na panela de ferro. Todas as minhas receitas também dizem uma coisa: eu amo você.

Foto by Agencia Uai

Anúncios

Comments

  1. Lágrimas…amo vocês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: